parimatch

Laudo confirma que os jovens da BMW morreram por modificação no escapamento

bmw laudo
bmw laudo

Na manhã de 1 de janeiro, quatro jovens foram encontrados desmaiados dentro de um BMW Série 3 estacionado com motor ligado na rodoviária de Balneário Camboriú, litoral norte de Santa Catarina.

Após a chegada do SAMU, foram registrados os óbitos dos quatro ocupantes do veículo, Gustavo Elias, 24 anos, Tiago Ribeiro, 21, Karla Aparecida dos Santos, 19, e Nícolas Kowaleski, 16, sob suspeita de intoxicação por monóxido de carbono.

Eles tinham ido buscar uma amiga, Geovana, que chegou de Minas Gerais, estado de origem dos ocupantes do BMW, porém, quando a mesma chegou, eles já estavam sob efeito da intoxicação, ainda durante a madrugada.

Agora, o laudo da perícia científica comprova as suspeitas de intoxicação por monóxido de carbono, mas também a causa que vitimou os quatro jovens.

Bruna de Souza Boff, perita criminal bioquímica, atestou que três das vítimas tinham saturação de monóxido de carbono acima de 50% e de uma entre 49% e 50%.

Segundo os peritos, o motivo para o ingresso de monóxido de carbono no habitáculo do Série 3 foram quatro modificações feitas no veículo, como a troca do catalisador e escapamento sem passar por abafadores.

bmw 320 felipe salles 1
bmw 320 felipe salles 1

O laudo indica que isso fez com que o gás tóxico fosse enviado para dentro do veículo que, como estava completamente fechado e com o ar-condicionado ligado, intoxicou os ocupantes Gustavo, Tiago, Karla e Nícolas.

Geovana, amiga do grupo, não foi afetada pela intoxicação. A perícia apontou que no ponto de ruptura do escapamento, junto ao motor, havia nada menos que 1.000 ppm de monóxido de carbono.

De acordo com os peritos, esse índice é suficiente para causar a morte em apenas duas horas de exposição. Sem circulação de ar exterior, já que o carro estava parado, o vazamento do gás tóxico acabou sendo aspirado para dentro do carro pelo ar condicionado.

Para quem voa com regularidade, o cheiro de querosene no interior do avião quando da mudança da APU para os motores de impulsão é bem perceptível.

Todavia, nesse caso, o gás é sentido pelo cheiro, mas no BMW, não havia o cheiro da queima do combustível, comum de se perceber no fim do sistema de escape.

Sem cor e sem cheiro, o gás contribuiu para uma “atmosfera tóxica dentro do veículo”, segundo o perito criminal Luiz Gabriel Alves de Deus.

O BMW sofreu quatro modificações, com adição de uma tubulação “downpipe”, porém, uma solda mal-feita rompeu-se e fez com que o gás tóxico vazasse sob a parte central do veículo, sendo aspirada pelo ar condicionado.

Um desvio feito elimina a passagem pelos abafadores e o silencioso foi removido, de modo a aumentar o ronco e a potência, com estas modificações não contribuindo para o vazamento. Havia ainda um chip no motor.

Os responsáveis pela modificação no BMW poderão responder por homicídio culposo ao final das investigações.

[Fonte:NSC Total]

 

 

google news2Quer receber todas as nossas notícias em tempo real?
Acesse nossos exclusivos: Canal do WhatsappeCanal do Telegram!

O que você achou disso?

Toque nas estrelas!

Média da classificação / 5. Número de votos:

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.




unnamed
Autor: Ricardo de Oliveira

Com experiência de 27 anos, há 16 anos trabalha como jornalista no parimatch, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz testes e avaliações. Suas redes sociais: Instagram, Facebook, X

parimatch Mapa do site